CONCEITO

Quando se aborda a Filosofia, tem como objetivo propor algumas reflexões sobre o ensino e a aprendizagem dessa disciplina na Educação Infantil.

Para tanto, faz-se necessário compreender, inicialmente, que a palavra “Filosofia” é formada por dois vocábulos gregos: philos = amizade; amor e sophia = sabedoria. Portanto, Filosofia significa simplesmente “amor pelo saber, amizade à sabedoria, busca do saber” (CHAUÍ, 2005, p.22).

No atual contexto educacional, há uma ampla discussão sobre a importância de se inserir a filosofia nas séries iniciais, embora, ainda haja uma grande resistência em relação à reestruturação curricular, que tenha em seus objetivos proporcionar uma educação dialógica e reflexiva.

O paradigma tradicionalista de educação busca por uma postura passiva por parte do educando, ou seja, tenta privando-lhe de poder, como também de realizar questionamentos. Nessa linha, muitas vezes aquele que questiona ou interroga o professor é visto como indisciplinado.

No entanto, na visão reflexiva, com um embasamento na filosofia, é o contrário, a educação é espaço de construção do mundo, proporcionando diretrizes, sendo que é a partir dela que se estabelecem cidadãos críticos e reflexivos capazes de observar a ação frente aos desafios do mundo globalizado,

A disciplina nas séries iniciais, é essencial e imprescindível, pois, possibilita aos alunos a construção da criticidade do seu aprendizado, tendo como perspectiva a valorização e incentivo da autonomia

MÉTODOS

Os métodos que a Filosofia nos anos iniciais procura criar são condições necessárias para os educandos se tornarem mais críticos e autônomos, proporcionando oportunidades para o desenvolvimento integral da criança nessa fase, estimulando a aquisição de habilidades e competências consideradas essenciais e necessárias à sua vida pessoal e social.

PROPOSTAS

A proposta do pesquisador Lipman está centrado na questão da necessidade de priorizar as políticas públicas voltadas para à inserção da filosofia na séries iniciais. Embora, falar de filosofia para crianças, mesmo pleno século XXI ainda é bastante complexo, pois há um forte grupo que procura se opor ou tenta alimentar a “ignorância” da “grande massa”“A filosofia começa quando podemos discutir a linguagem que usamos para discutir o mundo” (LIPMAN, 1995, p. 133).

Para desenvolver a ideia de Filosofia para Crianças, Lipman criou o que chama de Pedagogia da Comunidade de Investigação. Nesta perspectiva, a sala de aula tradicional deve se transformar numa Comunidade de Investigação com a participação ativa de crianças e professores no diálogo sobre os problemas em questão, ou seja, conceitos de fundo de nossa existência, aqueles que são centrais, comuns e controversos. O diálogo filosófico é a pedagogia do pensar bem, ou seja, um pensar crítico, criativo, ético e político. É nessa prática de filosofia que as crianças formam as atitudes democráticas, tornando-se cidadãos críticos, reflexivos e participantes do processo deliberativo.

ATIVIDADES

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O ARQUIVO COMPLETO EM PDF:

Atividades Filosóficas na Educação Infantil - Faculdade Apogeu

Atividades Filosóficas na Educação Infantil – Faculdade Apogeu

Trabalhar com a Filosofia implica em trabalhar com alguns conceitos nem sempre presentes nas escolas. Ao propor atividades investigativo-filosóficas, as crianças são convidadas a pensar sobre o próprio pensar, refletindo e tirando suas próprias conclusões ao se envolverem com situações presentes na filosofia, tais como identidade, imaginação, verdade, certo e errado, amizades, entre outras.

A primeira atividade que propomos a denominamos de Minhas pegadas. Procuramos desenvolvê-la de modo que as crianças deixassem as marcas de suas mãos em um papel sulfite. Passamos tinta guache com um rolinho de espuma na mão de cada criança e em seguida elas fizeram a marca de sua mão no papel simbolizando a sua identidade pessoal. Em seguida, ressaltamos que a marquinha de sua mão se transformou em algo que vive no fundo do mar e as crianças adivinharam que tratava de um peixinho.

Elas então tiveram tempo de desenhar em volta da mãozinha o fundo do mar e na sequencia nós distribuímos olhinhos que foram colados no peixe, representado pela marca da mão da criança. Após esse momento, confeccionamos um mural com as pegadas das mãos das crianças e fixamos no corredor da escola para ser visualizada por todos que passaram por lá. Construir a identidade faz parte do desenvolvimento de qualquer pessoa, não importando a idade, gênero ou classe social e trabalhar com essa 17 temática proporciona às crianças autonomia e consciência de suas ações, percebendo-se como um sujeito social capaz de interagir e transformar seu entorno .

REFERÊNCIAS

CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1999.

DANIEL, Marie-France. A filosofia e as crianças. São Paulo: Nova Alexandria,2000.

LELEUX, Claudine (Org.). Filosofia para crianças: o modelo de Matthew Lipman em discussão. Porto Alegre: Artmed, 2008.

LIPMAN, Matthew; SHARP, Ann Margaret; OSCANYAN, Frederick S. Filosofia na sala de aula. Tradução: Ana Luiza Fernandes Falcone. São Paulo: Nova Alexandria, 1994. LUCKESI, Carlos Cipriano; PASSOS, Elizete Silva. Introdução à Filosofia: aprendendo a pensar. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1995.

[starbox]